Por que o idioma mudou tanto e tão rápido?

Atualizado: 27 de Dez de 2019


O idioma mais fácil de aprender, provavelmente o que você já conhece, porque sempre há algo novo para aprender. Quer prova? Porque a Internet examina como o inglês mudou.


No final de "Porque a Internet: entendendo as novas regras da linguagem", a linguista Gretchen McCulloch reconhece um paradoxo no coração de seu livro. Por um lado, os livros sobre uso tendem a consagrar a linguagem em um conjunto de regras, e ai de quem tenta quebrá-las. Por outro lado, as “novas regras” flutuando no éter digital estão mudando constantemente; qualquer coisa ligada ao mundo material das árvores mortas não pode acompanhar.


McCulloch não tem nenhum problema com isso.


“Em vez de pensar nos livros como uma maneira de embalsamar a linguagem, de torná-la fixa e morta por toda a eternidade”, ela escreve, “podemos pensar neles como mapas e guias para ajudar as pessoas a navegar no esplendor vivo e em movimento da linguagem.”

Com "Porque Internet", ela escreveu um guia incisivo e divertido. Fiquei reflexivamente desconfiado do título dela - a construção do "porque o nome" é por excelência a internet - mas, ao ler este livro, adquiri uma noção mais clara do porquê. Para alguém como eu, que foi apresentado ao e-mail na faculdade, o idioma das conversas on-line pode parecer quase agressivamente fofo no contexto de um livro.


Sou um dos nomes que McCulloch chama, com o carinho de sua linguista pela taxonomia, do Semi Internet People - aqueles que “se definiram pela ambivalência em relação à tecnologia e uma orientação para relacionamentos offline em detrimento dos online”.


Diferentemente dos Full Internet People, que cresceram com Na Internet e nunca questionou seu potencial social, a Semis tende a assumir que transmitir todo o significado social de uma mensagem é mais bem alcançado por uma conversa de voz, seja pessoalmente ou (para o pânico quase disfarçado de Pessoas da Internet Completas) em um telefonema.


Mas o telefone em si já foi uma tecnologia profundamente perturbadora para o idioma inglês (e presumivelmente para outros idiomas também, embora o foco deste livro seja o inglês).


Como McCulloch explica em uma das muitas histórias históricas esclarecedoras, basta escolher uma saudação padrão feita para uma confusão aguda. O que começou inicialmente como uma batalha entre “ahoy” e “olá” (outro concorrente foi “o que se quer?” - minha nova saudação telefônica) acabou sendo resolvido em favor do “olá”; a palavra tem as mesmas origens de "gritar" e foi usada na época como um pedido de atenção.


"Olá" mais tarde se tornou uma saudação aceitável para todos os tipos de interações, mas demorou um pouco para que ele perdesse seu cheiro de impertinência. Agora, “oi” não é apenas educado, mas até um pouco formal, comparado com um “olá!” Ou “ei!” Indiferente


Ou faça com que “ei !!!!!” Os pontos de exclamação, ao contrário do período, tenham escapado até agora da obsolescência na interação on-line habitualmente livre de pontuação; se alguma coisa, eles foram barateados pelo uso excessivo, com um único ponto de exclamação sendo insignificante mais ansioso do que nenhum ponto de exclamação.


Mas uma série deles, em nossa era de hipérbole, pode parecer insincera. McCulloch não analisa a ascendência da dupla exclamação, mas "!!" - tomando o cuidado de manter os pontos de exclamação em exatamente dois - está aparentemente emergindo como o marcador de genuíno entusiasmo.


Por enquanto, pelo menos. Um dos temas mais importantes de "Porque a Internet" é a fluidez de todas essas normas. McCulloch diz que trocas on-line como bate-papos, textos e postagens em mídias sociais oferecem a linguistas como ela uma oportunidade ideal para estudar. A linguagem da Internet é "maravilhosamente mundana" e, diferentemente da fala, deixa para trás um registro escrito conveniente.


A linguagem formal, diz ela, é principalmente desencarnada; linguagem informal não é. Quando conversamos com um amigo, implantamos gestos e expressões faciais para dar mais contexto ao que estamos dizendo; no telefone, sem pistas visuais, nossas inflexões vocais, volume e risos fazem o trabalho. McCulloch é extraordinariamente bom em mostrar como a fala na Internet está evoluindo "para restaurar nossos corpos à nossa escrita", à medida que certas convenções online mudam ao longo do tempo.


Tome “LOL”, ou o que agora é mais tipicamente escrito como “lol”. No começo da gíria da Internet, “LOL” significava “rir alto”, mas sua definição se suavizou, adquirindo camadas adicionais de significado. A letra minúscula “lol” ainda é uma “palavra em transição”, diz McCulloch, significando “diversão, ironia e até agressão passiva”. Ela pode moderar uma afirmação que de outra forma poderia parecer conflitante (“o que você está fazendo tão tarde, lol”) ou zombe gentilmente de alguém ("bom dia, lol" para um amigo que acordou ao meio-dia).


McCulloch é uma escritora tão desarmante - lúcida, amigável e inequivocamente empolgada com o assunto - que comecei a me maravilhar com a flexibilidade do idioma on-line que ela descreve, com suas inúmeras nuances de sutileza. As emoções podem ser transmitidas de maneira rápida e eficiente pelo “sarcasmo til” (“não é tão especial”) e pelo “alongamento expressivo” (“yesssss” e “bothhhh”). Muitas sugestões podem ser contidas no minúsculo emoji de uma berinjela.


Mas estar em sintonia com essas gradações finas de significado também pode gerar extrema sensibilidade. Uma pessoa completa na Internet pode ler aborrecimento ou raiva em uma frase que termina com um período. Fiquei surpreso ao saber que o ponto-ponto-ponto de reticências em e-mails e textos, que eu geralmente associava a uma pausa simples (e inofensiva) no pensamento, é "especialmente perigoso". As pessoas mais jovens indicam uma pausa simples com uma quebra de linha ou uma nova mensagem; eles "inferem significado emocional" de uma elipse porque se perguntam o que está fazendo ali e o que pode ser insinuante.


Refletindo sobre essas mudanças na "tipografia expressiva", McCulloch é totalmente comemorativo: "Eu aceitaria com prazer o declínio de padrões arbitrários e elitistas em primeiro lugar, a fim de poder me conectar melhor com meus colegas humanos". Ela vê a linguagem da Internet nos oferece a chance de "escrever não pelo poder, mas pelo amor". Mas hoje é difícil olhar para o discurso online e deixar de notar que algumas pessoas estão escrevendo por ódio. O "vocabulário em grupo" da linguagem da internet e dos memes não é apenas inclusivo; sua capacidade de induzir uma "onda de sentimento de companheirismo" também depende da exclusão de um grupo externo.

A linguagem formal pode ser fria e impessoal, mas obedece a regras explícitas e, portanto, pode ser ensinada, em vez de depender de caminhos mais difusos de transmissão. Como a própria McCulloch observa, a formalidade é projetada para atrair o público em geral - algo que costumava parecer básico e chato, mas que parece estar em falta terrivelmente nos dias de hoje.


"Um tipo de escrita não substituiu o outro", escreve McCulloch, tendo o cuidado de enfatizar que a situação entre linguagem formal e linguagem da Internet não é de soma zero. Ela está imersa na vida on-line, onde vê o futuro parecer emancipatório e brilhante. "Há espaço, nesta gloriosa teia linguística, para você", ela insiste. Espero que ela esteja certa, lol.


A Rosetta Stone

A Rosetta Stone atende mais de 12 mil empresas e 22 mil instituições de ensino, com milhões de alunos em mais de 150 países. São 27 anos de liderança de mercado. As soluções de aprendizado apoiam os alunos no aprendizado de idiomas. A solução contempla tecnologia, atividades nas 4 habilidades de comunicação, aulas ao vivo, serviços e relatórios para um programa completo de idiomas.


O sistema oferece o aprendizado de 24 idiomas diferentes: espanhol (América Latina), espanhol (Espanha), inglês (EUA), inglês (Reino Unido), francês, japonês, italiano, alemão, coreano, chinês, português, russo, árabe, holandês, filipino, grego, hebraico, hindi, irlandês, farsi, polonês, sueco, turco ou vietnamita.


O programa utiliza imagens, texto, som e vídeo para ensinar palavras e gramática por meio de repetição espaçada, sem tradução. A empresa chama este método de "Imersão Dinâmica". Aprenda as palavras e gramática que você precisa para construir uma base fundamental e essencial de vocabulário e estrutura de linguagem. Pratique os sotaques de idiomas com nossa tecnologia TruAccent®. Comece a ler histórias em voz alta e receba feedback instantâneo. O que você aprender agora será fundamental para a sua jornada.


Sobre a ASG Educação

A ASG Educação é a representante oficial da Rosetta Stone no Brasil, atuando desde o começo do projeto, implementação, treinamento, suporte e acompanhamento.


1. Implementação: a ASG atua no apoio à configuração da tecnologia, adoção e implementação do programa de idiomas, suporte e acompanhamento para garantir o sucesso do programa.


2. Treinamentos: a ASG oferece treinamentos desde a implementação que ajudam no desempenho do programa. Os treinamentos contemplam: plataforma, metodologia, materiais e utilização de relatórios.


3. Acompanhamento: administradores do programa podem usar os relatórios de proficiência e progresso para avaliar e medir o aprendizado de cada aluno, além de consultá-los para entender melhor e manter os resultados positivos.


Conheça mais sobre as soluções da Rosetta Stone através dos contatos abaixo.


ASG Educação - Representante da Rosetta Stone no Brasil


+55 (51) 3062 3147

idiomas@asg.com.br

www.asgeducacao.com.br

#Catalyst #RosettaStone #ASGEducacao

Porto Alegre, RS | 51 3062 3147 | idiomas@asg.com.br

ASG® 2020. Todos os direitos reservados.